Mauricio Kus
MEU DEUS! - UM ESPETÁCULO QUE ESTÁ CONQUISTANDO E ENTERNECENDO AS PLATÉIAS DO TEATRO FAAP


Por Mauricio Kus, 10/04/2014 às 10:1

ESPETÁCULO MEU DEUS! - Irene Ravache e Dan Stulbach - Teatro FAAP ESPETÁCULO MEU DEUS! - Irene Ravache e Dan Stulbach - Teatro FAAPIrene Ravache e Dan Stulbach encabeçam o elenco desta peça da dramaturga israelense Anat Gov, dirigidos por Elias Andreato. Oh, My Good, título original, Meu Deus! foi adaptado por Jorge Schussheim, traduzido por Eloísa Canton e a versão brasileira é de Célia Regina Forte.

Meu Deus! é um texto espirituoso, com diálogos ágeis e muito verdadeiros, mesmo aparentemente sendo improvável. DEUS, o próprio, resolve fazer terapia, pois tem estado bem deprimido nos últimos 2000 mil anos e espera, por questões que serão desvendadas ao longo do espetáculo, que a psicóloga Ana resolva esse impasse.

Mesmo tocando em assuntos que farão o público refletir, o espetáculo é uma comédia que vem fazendo grande sucesso onde quer que seja encenada.

Por mais fantasiosa que a história nos pareça a princípio, no decorrer da peça, plateias do mundo inteiro acreditam nesse inusitado encontro. Surpreendem-se, riem, compactuam, torcem e finalmente, se emocionam com essa plausível sessão de terapia.

A história se passa num dia na vida da psicóloga Ana, personagem interpretada por Irene Ravache, que recebe um telefonema misterioso de um homem desesperado, interpretado por Dan Stulbach, que insiste em marcar uma consulta com ela no mesmo dia. Quando ele chega, apresenta-se como sendo Deus. Deus profundamente deprimido com a situação do Paraíso que um dia criou. Ana tem apenas uma sessão de terapia para convencê-lo do contrário e salvar o mundo, e isso se dará ao longo dessa divertida peça e com revelações surpreendentes de como seria realmente encontrar com DEUS! Com olhar cômico, perspicaz e humor ácido, o espetáculo analisa a imagem de Deus e sua relação inconsistente com as pessoas.

A terapeuta perguntará ao Todo Poderoso, questões que provavelmente qualquer mortal quisesse saber. O público reage a cada pergunta levantada por Ana por que, de fato, o espectador sente-se no lugar dela.

Ainda no elenco, Pedro Carvalho, interpreta o filho da psicóloga e tem pela frente uma missão quase impossível. Quase impossível, por que nesse encontro, tudo se torna plausível e crível!

ESPETÁCULO MEU DEUS! - Irene Ravache e Dan Stulbach - Teatro FAAP

Irene Ravache

Atriz e diretora teatral brasileira indicada ao prêmio Emmy Internacional em 2008. Atua em televisão, teatro e cinema, mas essencialmente é uma atriz de teatro, tendo participado de grandes montagens ao longo da carreira e sempre interpretando personagens que se encanta na primeira leitura de uma peça.

Em 1962, cursou interpretação na Fundação Brasileira de Teatro. De lá pra cá, acumulou sucesso e prêmios, nas suas três áreas de atuação.

Entre seus personagens mais marcantes na TV estão a Rachel de Sol de Verão (1982), onde fez inesquecível parceria com Jardel Filho, a Antônia Regina da novela Champanhe (1983), a Leonora Lammar de Sassaricando (1987), a Lola de Éramos Seis (1994), a Katina de Belíssima (2005), a Clô de Passione (2010) e a Charlô de Guerra dos Sexos (2012).

Sua trajetória em teatro é extensa como atriz, diretora e produtora. Entre seus espetáculos de sucesso e premiados estão Filhos do Silêncio, De Braços Abertos, Uma Relação Tão delicada e Intimidade Indecente.

Dan Stulbach

Estreou profissionalmente protagonizando Peer Gynt, de Ibsen. Em 2013, estreou como diretor no teatro com o drama A Toca do Coelho, de David Lindsay Abaire. Seus trabalhos mais recentes foram a série “Segunda Dama”, supervisão de João Emanuel Carneiro e, como apresentador, no "Encontro com Fátima Bernardes" e no “Saia Justa”. É criador e apresentador do “Fim de Expediente”, programa da rádio CBN há 7 anos, mesmo tempo que cuida e pauta o Teatro Eva Herz. Foi professor de Teatro por 11 anos, em diversas escolas e faculdades, inclusive na EAD e na Oficina de Atores da Rede Globo. Neste perí­odo, fez assistência de direção para Elias Andreato, Marco Nanini e Naum Alves de Souza, e vários espetáculos como ator. Recebeu os prêmios da Associação Paulista de Crí­ticos de Arte (APCA) e Shell de melhor ator com o espetáculo Novas Diretrizes em Tempos de Paz tendo Tony Ramos como companheiro de cena. O espetáculo, grande sucesso de crí­tica e público, foi transformada em filme (Tempos de Paz) sob direção de Daniel Filho. Fã de Paulo Autran, que conheceu ainda no iní­cio da carreira e de quem viria a se tornar amigo, em seguida trabalhou emVisitando o Sr. Green, no Brasil e em Portugal.Depoisprotagonizou o drama Dúvida, de Patrick Shanley e a comédia 39 Degraus, baseada em obra de Alfred Hitchcock, enorme sucesso no Brasil todo. Estreou na televisão em 1997, na novela O Amor Está no Ar. Voltou à televisão na minissérie Os Maias, interpretando Kraft, um aristocrata inglês. No ano seguinte, faz uma participação especial na novela Esperança e logo em seguida interpreta o personagem Marcos na novela Mulheres Apaixonadas, alcançando sucesso de critica e publico, com 17 prêmios de Melhor Ator, inclusive no exterior. Depois, “Papo de Anjo” e “Senhora do Destino”, com o bonzinho Edgar, maior audiência de novelas deste século. Fez “JK”, “Amazônia”, “Som e Fúria” e interpretou seu primeiro protagonista na minissérie Queridos Amigos, baseada no livro Aos Meus Amigos de Maria Adelaide Amaral. Mais recentemente, participou da novela Fina Estampa, de Aguinaldo Silva. Todos trabalhos na rede Globo de Televisão, única emissora em que trabalhou. No cinema, seu primeiro longa-metragem foi o filme Cronicamente Inviável. No ano seguinte atuou nos filmes Mater Dei, dirigido por Viní­cius Minardi e a comédiaViva Voz, de Paulo Morelli. Depois atuou em Mais Uma Vez Amor, dirigido por Rosane Svartman; em Los Angeles fez o filme Living the Dream, e A Suprema Felicidade, filme de Arnaldo Jabor. Este é seu primeiro projeto produzido pela Morente Forte, que conheceu no começo da sua trajetória, em Peer Gynt, todos jovens, e por quem tem, desde lá, carinho e admiração.

Elias Andreato

Ator de teatro, cinema e televisão, diretor e muitas vezes roteirista dos seus próprios trabalhos. Sua busca é pela humanidade dos personagens que interpreta e seus espetáculos frequentemente questionam o papel do artista na sociedade e sua relação com o seu tempo. Construiu uma carreira sólida feita, acima de tudo, pela escolha por personagem/personalidades que pudessem traduzir esse pensamento – Van Gogh, Oscar Wilde, Artaud são exemplos dessa escolha e resultaram em interpretações marcantes que lhe garantiram um lugar especial no teatro brasileiro.

Como ator, seu currículo é grandioso, assim como as peças que dirigiu:Visitando Sr.Green, de Jeff Baron com Paulo Autran e Cássio Scapin/Dan Stulbach. Adivinhe quem vem para Rezar, de Dib Carneiro também com Paulo Autran e Claudio Fontana, Édipo Rei, de Sófocles, Myrna Sou eu, com textos de Nelson Rodrigues, Eu não dava praquilo, com Cássio Scapin. Direções com produção da Morente Forte: Cruel de Strindberg, com Reynaldo Gianecchini, Maria Manoella e Erik Marmo, A Casa de Bernarda Alba de Garcia Lorca com Walderez de Barros completando 50 anos de carreira, Doido e O Andante de sua autoria, uma coletânea de textos consagrados.

Elias Andreato é um homem de teatro e um dos atores/diretores mais respeitados do cenário artístico nacional

Sobre a Produtora - Morente Forte

Selma Morente e Célia Forte, sócias da Morente Forte Comunicações, empresa especializada em assessoria de imprensa e produção na área cultural desde 1985, direcionam exclusivamente suas atividades às artes cênicas.

Participação em mais de 1500 espetáculos teatrais, com ampla experiência de relações públicas em assessoria de imprensa e planejamento para realização de grandes espetáculos, protagonizados pelos maiores artistas nacionais.

Leia também:

MARILYN MONROE E ELIZABETH TAYLOR TIVERAM RITUAL JUDAICO EM SEUS FUNERAIS
06/04/2011 - 9:50
A perda foi mais recente de um ícone de Hollywood, foi Elizabeth Taylor, que faleceu no dia 23 de março e foi enterrada no dia seguinte num funeral discre...


HUGO SCHLESINGER GOSTAVA DE CONSTRUIR CINEMAS E ESCREVER LIVROS
20/09/2009 - 15:28
No inicio dos anos 60 fui convidado a visitar uma pequena distribuidora especializada em importar produções européias, em sua maioria, filmes de arte, que ...


NOVOS LANÇAMENTOS ZIPPO
26/09/2014 - 9:12
Os temas são variados, com destaque para música, tecnologia e arte, todos criados pela equipe de design da Zippo e em números limitados para garantir maio...


OSWALDO DE OLIVEIRA O GALANTE "CARCAÇA" DO CINEMA BRASILEIRO DA BOCA DO LIXO.
13/03/2013 - 11:15
Leio os jornais de hoje e fico impressionado com o número de reportagens e matérias elogiando Oswaldo de Oliveira e seu grande feito de ontem (10/03/) no...


O TEATRO DE REVISTA COMEMORA 150 ANOS. PORQUE COMEMORAR? O TEATRO DE REVISTA MORREU...
29/10/2009 - 16:57
O teatro de revista brasileiro surgiu em 1859, no Teatro Ginástico do Rio de Janeiro, portanto está comemorando 150 anos. Uma data para festejar, mas como...


"Lili Marlene", Um Musical - Fause Haten - Teatro Eva Herz
15/05/2017 - 10:05
Fause Haten encena novo espetáculo ao lado de Andre Cortada com apresentações às terças e quartas...


ESTRÉIA EM SÃO PÁULO O MUSICAL QUASE NORMAL, UM ESPETÁCULO DE TADEU AGUIAR
14/02/2013 - 12:27
Quase Normal é a história de uma família que convive com o transtorno do humor bipolar de sua mãe. Entre os altos e baixos dos afetos, das paixões e das l...


OSCAR 2010: JAMES CAMERON FOI DERROTADO COM “AVATAR” MAS LEVA TODA GRANA DO MUNDO NAS BILHETERIAS E RECEITAS PARALELAS
11/03/2010 - 23:35
James Cameron, aclamado como o Rei de Hollywood pelo caminhão de dinheiro que produziu o filme 'Titanic', pisou no tapete vermelho do Kodak Theatre no últ...


CHI, LÁ VEM A CHATA DA BRIGITTE BARDOT, DE NOVO
28/02/2011 - 18:16
O carioca, na sua irreverência, não perdoou Brigitte Bardot, pelo excesso de aparições nos lugares da moda da Cidade Maravilhosa, depois de passar várias...