Mauricio Kus
GEORGE JONAS, O GUERRILHEIRO DO BEM


Por Mauricio Kus, 01/12/2009 às 11:49

GEORGE JONAS, O GUERRILHEIRO DO BEM

 

Recebo um e-mail do meu amigo Carlos Brickmann.  O velho Brickmann, figuraço!  Sempre alegre e sorridente, com sua figura gigantesca, jornalista de texto brilhante, circula com desenvoltura pelos mais fechados gabinetes de Brasília e do Estado de São Paulo.

Dono de grande generosidade, é,, por décadas, doador voluntário de sangue no Hospital Albert Einstein, e nunca fez alarde deste seu gesto..

 Descobri, por acaso, quando estava fazendo, no Einstein,  uma reportagem com atores e atrizes de cinema e televisão, com a finalidade de incentivar as pessoas a doarem sangue, num período em que os hospitais de sangue estavam em baixa com seus estoques.

O e-mail é longo, é melhor reproduzir do que explicar.  Direitos autorais à parte, eis o texto completo::

 

UM LIVRO QUE VALE A PENA (E O DVD PROIBIDO)

Ele lutou na Hungria, como partisan, contra os nazistas.  Terminada a guerra, fugiu das tropas comunistas para a Itália. Lá, estabeleceu-se e teve domicilio por algum tempo nas ruínas do Coliseu.

Nas ruínas da Europa pós guerra, vagueou por algum tempo e estudou Química na Alemanha.  Resolveu então tentar a vida na América Latina,na Bolívia.

Quando chegou ao Brasil? “Não se sabe” diz ele, com seu sotaque húngaro praticamente intacto depois de tantos anos.  Ele se perdeu nas selvas da Bolívia no fim de um ano e foi localizado no inicio do outro ano às margens do rio Guaporé, no Brasil.

Ficou por aqui e fundou duas empresas de grande sucesso, a Líder, o primeiro laboratório cinematográfico do país e a Espiral, produtora de filmes e audiovisuais, um marco no mercado publicitário brasileiro.

Produziu e dirigiu um filme, “A Compadecida”, baseado na obra de Ariano Suassuna, com Regina Duarte e Zózimo Bulbul.  Conseguiu o milagre de desagradar a todos: ao regime militar (que proibiu o filme) e a uma ala da Igreja Católica, que não se conformava com um Cristo negro; à esquerda que fazia oposição aos militares, reunida no Cinema Novo, porque Cinema Novo, A Compadecida não era.

Este é um breve perfil de George Jonas, o húngaro mais brasileiro do Brasi, judeu pela Lei Judaica, como filho de mãe judia, e orgulhoso de sua origem.

Na próxima quinta-feira, lança A Cor da Vida, o livro contendo todas as histórias aqui lembradas e muitas outras mais.  Estarei lá, e acho que quem puder ir à Livraria Cultura, no Conjunto Nacional, SP, na Av. Paulista, a partir das 18h30, guardará na memória uma pessoa que merece ser conhecida e cuja conversa é fascinante.  Terá oportunidade de levar o DVD com A compadecida, o filme que esquerda e direita abominaram.  E poderá, lendo uma despretensiosa autobiografia lançada pela Editora de Cultura, acompanhar a história de nossos tempos, da Segunda Guerra até hoje.

 

A Compadecida foi distribuida pela Cinedistri, de Oswaldo Massaini, também um dos produtores do filme.

Fui contratado para fazer a divulgação e promoção do filme, e se o DVD mantiver intacto os letreiros de créditos do filme, meu nome está lá na tela, (ou na telinha, já que o DVD vai ser mostrado nos aparelhos de televisão).

Conheci George Jonas na Espiral Filmes, fiquei deslumbrado com o aparato técnico de sua empresa, a organização impecável do equipamento e a disciplina com que as filmagens eram realizadas.

Sempre tranqüilo em meio à conturbada confusão de um plateau de filmagens, fala mansa, muito educado e compenetrado, tinha como clientes, as maiores agencias de publicidade daquela época (falo de 1969, o ano em que o filme foi lançado), que finalizou comerciais inesquecíveis que entraram para a história da publicidade brasileira.

Falo de “O primeiro Soutien”, o cachorrinho da Cofap, Guaraná, Fiat 147, Bombril e o lançamento do Scort XR 3, com a participação de Ayrton Senna.  Precisa mais?

Tive longas conversas de briefing com George Jonas e numa dela deparei com um jovem publicitário que estava em vias de deixar a agencia em que trabalhava, instado por um cliente preparado para ser o número um de sua nova agencia.

Chamava-se Âgnelo Pacheco e foi entusiasmado por George Jonas a tocar a vida solo.  Topou e convenceu Marcelo Gutglas, presidente do Playcenter a me  contratar para cuidar da assessoria de imprensa do parque.

Tive no Playcenter momentos maravilhosos, como a loucura de fazer a atriz Jéssica Lange, atriz de King Kong sentar nas mãos de um gigantesco gorila, de 15 metros de altura, construído pelo departamento de engenharia do parque.  Jéssica sentou-se na mão do gorila (como no filme), numa noite que levou ao extase, um público de mais de 18.000 pessoas.

Osmar Santos, então na Jovem Pan, foi o mestre de cerimônias e descrevia os lances de Jéssica subindo as escadas e levantando a claque com o mesmo entusiasmo de quem comemora um gol de placa.

Também levei para o Playcenter José Mojica Marins, o Zé do Caixão, que abrilhantava as famosas Noites do Terror, marca registrada do parque, até hoje.

O e-mail de Brickmann me fez recordar de uma pessoa gentil, carinhosa com os amigos, educadíssima e inteligente, a avó mais bonita do Brasil, Regina Duarte, com quem eu e, Sarinha (minha falecida esposa) curtimos bons momentos.

Quando a conhecemos, nas andanças promocionais de A Compadecida, estava casada há poucos anos com um engenheiro de Campinas, Marcos Cunha Franco, pai da também atriz Gabriela.  Moravam num apartamento modesto na Av. Rangel Pestana, esquina com Parque D. Pedro II e quando as coisas melhoraram para os dois, mudaram-se para Higienópolis.

Era a queridinha do Brasil, até hoje o maior ibope que a televisão já apresentou, , mas adorava teatro. Fez uma menina peralta em “Black out”, com Eva Wilma e outra Duarte, a Débora, que não era sua parente e teve a coragem de – em plena ascenção como a namoradinha do Brasil – fazer o papel de uma prostituta na peça “Reveillon”.

Mesmo antes de conhecer Regina pessoalmente, ela sempre foi assunto de nossas conversas, na British Caledonian, empresa aérea da qual fui gerente de comunicações e relacionamento com a imprensa para o Brasil, durante dez anos, sem prejuízo de minhas atividades como divulgador de cinema, que era o trabalho que eu amava.

Regina, nasceu em Franca, mas foi criada em Campinas, onde casou com Marcos, irmão da encarregada dos check-in dos vôos no Aeroporto Internacional de Viracopos, Bastava nossa funcionária chegar no escritório, para Regina ser o assunto das conversas.  Eu já a conhecia bastante, antes de conhece-la pessoalmente apresentada por George Jonas.

Ficamos amigos por muito tempo, mas os caminhos que a gente segue, acaba separando as pessoas. A última vez que a vimos, já era vovó, na festa de ani versárfio dos  60 anos de Irene Ravache, em casa de Leilah Assumpção, Ela chegou junto com Gabriela. Pareciam duas irmãs.

O e-mail de Brickmann me encaminhou para o George Jonas que conheci, e não vejo há anos. Um George Jonas que pensei conhecer de verdade.

Sempre pensei que na juventude tivesse tentado ser um cineasta ou trabalhado em alguns dos estúdios húngaros de pré guerra, mas parece que entrou para o cinema via química, cuidando do laboratório. Vamos conferir a partir do dia 3, quando vjamos ler o livro.

 Aquele homem pacato e metódico, não dava a impressão de que foi um combatente bélico, um  partisan.  Lembrei do filme de Tarantino, “Bastardos inglórios”, em que judeus matam nazistas.

Nunca poderia imaginar George Jonas deixando de empunhar uma câmara ou girando uma moviola, para empunhar um rifle ou girar uma metralhadora para enfrentar e lutar contra os diabólicos nazistas, eliminando alguns daqueles tenebrosos SS que matavam as pessoas com a naturalidade que a gente come um pastel de feira.

 

mkus@uol.com.br

 






Leia também:

O MAIOR PAPEL DE YUL BRYNNER FOI NA VIDA REAL: MORREU COM MUITA DIGNIDADE E DEIXOU UM LEGADO PARA A HUMANIDADE
03/02/2010 - 21:2
Ator de dezenas de filmes e sucessos no teatro, por 30 anos consecutivos representando na Broadway e em excursões pelas maiores cidades dos Estados Unidos,...


RENT de Jonathan Larson Estreia dia 14 de Dezembro no Teatro Shop. Frei Caneca
05/12/2016 - 12:38
Obra universal, traduzida para mais de 22 idiomas e apresentada em mais de 100 cidades, musical ganha nova montagem nacional com apresentações às terças e ...


Zippo apresenta linha exclusiva para o Brasil
30/04/2014 - 16:17
Composta por quatro modelos - Bola de Futebol Brasil, Senhor do Bonfim, Chinelos de Dedo e Mapa do Brasil - esta linha tem apenas 700 unidades no total, f...


JEAN-LOUIS TRINTIGNANT, O AMOR DO ATOR POR UMA OBRA DE ARTE E A FALTA DE CRITÉRIO DE UMA APRESENTADORA BRASILEIRA DE TV
03/11/2011 - 11:54
Pouco depois do fim dos governos militares no Brasil, começávamos a respirar um ar de liberdade e a permissão para exibição de quase uma centena de filmes ...


MARILYN MONROE E ELIZABETH TAYLOR TIVERAM RITUAL JUDAICO EM SEUS FUNERAIS
06/04/2011 - 9:50
A perda foi mais recente de um ícone de Hollywood, foi Elizabeth Taylor, que faleceu no dia 23 de março e foi enterrada no dia seguinte num funeral discre...


Comédia "O Empréstimo" prorroga temporada no Teatro Folha até 25 de junho
13/05/2017 - 15:46
Produtora Conteúdo Teatral apresenta versão brasileira de “El Crédito”, do espanhol Jordi Galceran...


RASTROPET - monitoramento de animais de estimação 24 horas por dia com GPS
27/01/2015 - 15:48
Chega ao Brasil uma tendência mundial em segurança para animais de estimação. Rastropet é um serviço de monitoramento destinado ao uso em animais de estim...


HÁ DEZ ANOS O JORNALISMO BRASILEIRO PERDIA ALESSANDRO PORRO
28/10/2013 - 13:33
Precisamente há dez anos atrás, no dia 10 de outubro de 2003, falecia o jornalista Alessandro Porro, autor de vários livros, por mais de 20 anos correspon...


FERNANDO DE BARROS....O GLOBETROTER
01/09/2009 - 10:15
Quando a notícia chegou aos escritórios da Cinedistri, o produtor Oswaldo Massaini e o diretor Anselmo Duarte, com um grupo de amigos, aguardavam, ansioso...